sábado, 18 de abril de 2009

2008-01-03-Kari-Rangitoto

Um pouco de cultura:

Rangitoto é uma ilha vulcânica, reserva ecológica administrada pelo DOC (Department of Coservation). Surgiu há 600 anos quando uma série de explosões fez com que a ilha de Rangitoto erodisse do mar. Ela fica na baía de Auckland e conseguimos vê-la de várias partes da cidade.

Há mais de 200 espécies de plantas nativas, incluindo 40 espécies de fern, planta símbolo da Nova Zelândia e parente da nossa samambaia. Ninguém mora na ilha, mas no início do século vinte as pessoas iam para lá veranear.

Tamanho: 260 m de altura e 5,5 km de largura.
Volume da lava: 2.300 milhões de metros cúbicos (equivale a 468.000 piscinas olímpicas!).

Rangitoto significa “céu sangrento” em Maori, vem da frase “Te Rangi i totongia a Tamatekapua” (o dia que o sangue de Tamatekapua foi derramado), que é uma referência ao um chefe que foi ferido em uma batalha em Rangitoto.

Paga-se NZ$25.00 para ir de barco até lá. E essa é uma boa pedida para quem quer economizar dinheiro e conhecer a baía de Auckland. Você não precisar fazer nenhum cruise, porque só de ir do pier para Rangitoto, você tem um passeio de barco incrível!

Há também excursões, mas nem precisa pagar mais caro por isso, porque é tudo tão bem sinalizado e a ilha é relativamente pequena. A não ser que você prefira ir de trenzinho até o topo do vulcão... Se não... É só pegar um mapinha onde você comprou o seu ticket do ferry e começar a andar!


A caminhada é leve, apesar de ser subida até o topo do vulcão. O caminho é fácil (feito do rio de lava que desceu por aqui algum dia) e é bem sinalizado. Algumas partes tem até boardwalk com banquinhos para descansar! Você precisa ir preparado com água e lanche, porque não existe absolutamente nada para comprar por aqui. Nem souvenir! Dá para acreditar? Nenhuma camiseta com “I went to Rangitoto and I survived”!

Você não pode deixar de subir até o topo para ver a vista da baía de Auckaland (summit lookout) e as cavernas feitas de lava (lava caves)! A vista é breathtaking, mesmo com o tempo ruim... Ah! Choveu um pouco e quando chove é um problema, porque não tem abrigo, apenas na base e no topo... Então tem de levar um casaco de chuva. E para friorentos com eu, é bom levar casaco e uma calça na mochila mesmo no verão. Na volta, esperando pelo barco, fez frio de bater os dentes e eu estava de shorts!

Ah! Por falar em “esperando pelo barco”... Cuidado para não perder a carona da volta! O último barco sai às 17:30 e ninguém recomenda dormir na ilha!! rsrsrs

Quanto às cavernas, me senti um pouco como o Tom Sawyer! Beto conhecia umas cavernas que estavam fora do roteiro dos turistas. Eu só entrei sem medo, porque ele me disse que viu um pai levando seus filhos para explorá-la. A gente tem de se abaixar bastante para entrar, mas logo em seguida você consegue ficar de pé. Um garotinho indiano viu a gente entrando e ficou curioso, mas com receio. Dei para ele o glow stick que uma galerinha adolescente, que brincava de caça ao tesouro por toda a ilha, me deu e ele se animou para entrar com a gente.

Essa luminária japonesa fazia parte da caça ao tesouro. Eu já havia visto outras coisas espalhadas pela ilha, como papel alumínio em árvores e comentei com Beto que não estava acreditando que as pessoas deixassem seus lixos aqui, porque eles são ecologicamente bem conscientes. Só depois fui entender que era um grupo de adolescentes (que Beto achou grandinhos demais para estarem brincando disso e eu achei simplesmente o máximo!!) brincando de caça ao tesouro por toda a ilha! Acho que eu olhei tanto, sorrindo para eles que uma das meninas passou por mim e me deu seus glow sticks (palitinhos que brilham no escuro) quando a caça ao tesouro dentro das cavernas acabou e saiu sorrindo para mim!

O que você deve levar:

Muita água, chapéu, protetor solar, lanche e ir com um bom sapato de caminhada (eu fui com aquela sapatilha que mais parece uma meia e fiquei com meus pés doendo!). Se quiser explorar as cavernas de lava, tem de levar uma lanterna (usamos o celular de Beto que vem com luzinha). E também é importante o casaco de chuva
, porque nunca se sabe...

Nenhum comentário: