terça-feira, 8 de novembro de 2011

Gravidez aos 36 - 7 bilhões + 1



Há pouco tempo comemoramos (?) a marca de 7 bilhões anunciada pela ONU. Existem países onde a taxa de natalidade é muito alta, como a Índia, e outros onde ela é muito baixa, como a Alemanha. Mas a baixa taxa de natalidade não ajuda muito o equilíbrio populacional, pois geralmente ela está relacionada a uma maior longevidade e nosso planeta fica populoso mesmo assim!


Filha de uma professora de conforto ambiental, que falava sobre ecologia quando ninguém nem imaginava o que era isso, e casada com um "ecologista" que, desde a época de escola, fazia campanhas do tipo "jogue o lixo no lixo" (também em uma época quando ninguém parecia se importar com isso), fui  aprendendo desde cedo a ser mais ecológica e menos consumista. Sei que não chego nem perto de algumas pessoas, mas acredito que faço a minha parte. Por exemplo, me dou ao trabalho de reciclar meu lixo e entregar pessoalmente em um posto de coleta e só continuo colocando as compras nos sacos plásticos do mercado, porque são eles que uso como sacos de lixo. Beto chegou a sugerir que não usássemos fraldas descartáveis! Mas acho que não precisamos (e nem conseguiríamos) chegar a esse ponto. Seria muito cansativo, muito mais difícil e, no final, eu me estressaria =(


A responsabilidade de colocar um filho no mundo de hoje, onde há pobreza, fome, doenças e conflitos envolve reflexões sobre os 7 bilhões de pessoas e como promover maior sustentabilidade e consumo consciente, porque senão nosso planeta não aguentará por muito mais tempo! Se é que ele está aguentando agora! O interessante é que eu esperava ler apenas sobre as consequências negativas deste crescimento populacional, mas vários artigos apontavam para o que isto traz de positivo. E eu quero fazer parte disso.


Por um lado, há o aquecimento global, escassez de alimento, energia, educação e emprego, mas, por outro, acredita-se que as próximas gerações serão formadas por pessoas mais conscientes e que usarão toda a sua criatividade para sobreviver dentro destas adversidades. Isso, de certa forma, já pode ser visto atualmente. Por exemplo, a escassez de alimentos não aconteceu da forma prevista, já que as inovações tecnológicas também se fizeram presentes na agricultura. O importante agora é focar no consumo consciente e na lógica do crescimento, porque a vida não pára. E quando eu digo que quero fazer parte disso significa que quero contribuir para um mundo melhor, educando nosso filho (7 bilhões + 1=) para que ele também contribua com soluções criativas para um mundo sustentável. Afinal, o que o nosso mundo precisa são de pessoas boas. Senão, vamos ter que nos mudar para Terra Nova!! 

3 comentários:

Érica Machado disse...

Oi Karina! Sou amiga de Jam e Ju. Elas me disseram sobre seu blog e eu simplesmente adorei. Li alguns dos seus textos. Comecei de setembro de 2009, por orientação de Jam, pois estou começando a viver neste "mundo" de querer ser mãe. Muito legal suas descrições de sensações! Você escreve tão bem...parece que está conversando com quem está lendo...muito legal. Lendo este texto tive vontade de saber sobre dicas de reciclagem doméstica. Acredito que muitas pessoas irão curtir! E assim iremos construir um mundo mais sustentável e consciente. Beijo! Érica Machado

Érica Machado disse...

Oi Karina! Sou amiga de Jam e Ju. Elas me disseram sobre seu blog e eu simplesmente adorei. Li alguns dos seus textos. Comecei de setembro de 2009, por orientação de Jam, pois estou começando a viver neste "mundo" de querer ser mãe. Muito legal suas descrições de sensações! Você escreve tão bem...parece que está conversando com quem está lendo...muito legal. Lendo este texto tive vontade de saber sobre dicas de reciclagem doméstica. Acredito que muitas pessoas irão curtir! E assim iremos construir um mundo mais sustentável e consciente. Beijo! Érica Machado

Karina disse...

OI Érika! Fiquei muito feliz com o sue comentário! Que bom que gostou do blog! Sobre as dicas, já estive pensando e escreverei em breve. Bjs!