sexta-feira, 18 de maio de 2012

Gravidez aos 36 – As visitas


Nascimento é sempre uma festa! A família e os amigos parecem estar mais ansiosos que a mãe para conhecer o bebê. Estou na 39ª semana, em casa, tendo contrações de Braxton Hicks desde a 37ª, já passei por um falso trabalho de parto e, agora, procuro descansar bastante, dormir cedo, porque, há quase duas semanas, qualquer hora é hora.

Muitas pessoas me ligam para saber como eu estou. Beto está trabalhando em uma cidade a um pouco mais de uma hora de Salvador, me liga todo dia e está pronto para jogar tudo pra cima e vir correndo sem nem passar no hotel. Minha mãe pede que eu, assim que acorde, ligue para ela para dizer como passei à noite. Isso porque ela tem receio de me ligar e terminar me acordando, o que já aconteceu. Minha avó interfona e desce para me ver quase todo dia. Minha irmã está com o celular sempre ligado. Essa forma de carinho é importante e muito bem-vinda, mas a minha resposta é quase sempre a mesma: estamos bem, estou tendo contrações esporádicas e Ícaro pode nascer a qualquer momento. 

Então, a qualquer momento, Ícaro irá receber suas primeiras visitas. O que, além do telefonema de Tetem (prima-irmã de Beto e mãe de dois), me inspirou para escrever sobre um assunto importante: as visitas.

Sobre o fato de ser melhor visitar na maternidade ou em casa, prefiro que vocês leiam o Blog Mãe para Mães, mas quero adiantar alguns pontos:

É natural que todos queiram festejar.  Muitas visitas e muita festa fazem parte da celebração desta nova vida, mas é preciso ficar atento ao barulho e à quantidade de pessoas, para que não comprometam a interação dos pais com o bebê. Afinal, os pais estão em fase de adaptação e necessitam de tranquilidade.

A mãe também deve estar “atenta para que nada prejudique sua disposição e seu humor em amamentar e cuidar do bebê. Se perceber que algo está atrapalhando o andamento de suas atividades com o seu filho ou que seus sentimentos estão se modificando - por exemplo, tornando-se mais instáveis do que gostaria -, a mãe deve pedir ajuda ao seu companheiro ou a outra pessoa em quem confie.” (Filhos: da gravidez aos dois anos de idade, Sociedade Brasileira de Pediatria).

O ideal é que as visitas (1) levem em consideração os horários da maternidade ou liguem para saber qual o melhor horário para visitar em casa, sendo que o ideal é esperar passar o 1º mês, (2) evitem aparecer se estiverem doentes (o bebê tem imunidade zero!), (3) evitem tocar no bebê, mas, se o fizerem, tocar apenas na cabeça e nos pés (e NUNCA nas mãos e no rosto), (4) lavem bem as mãos com água e sabão e passem álcool-gel a 70% (os pais têm esse mesmo cuidado, porque as visitas não teriam?) e (5) sejam breves, pois os pais estão criando vínculo com o bebê, a mãe está entrando em sintonia com a amamentação e talvez ainda esteja sentindo as dores do pós-parto.

Tomando essas cuidados, todas as visitas são muito bem-vindas, porque, afinal, estaremos celebrando um amor que se tornou visível e a presença de pessoas queridas só faz contribuir para mais amor!

Um comentário:

Marcia Torres disse...

Eu quero ir sim te visitar. Mas, vou esperar um mês. Acho que este momento é para ser festejado. Mas, com todo cuidado e carinho. As pessoas podem festejar em suas casas, na rua, em qualquer lugar. naõ precisa ser necessariamente ao lado do bebê!
Ficamos sim estressadas, cansadas, etc. Precisamos sim descansar e nos acostumar com a nova vida que surje e com a vida nova que passamos a ter.
Quero ir sim vê-lo! E ver você também!
Muitas alegrias coma chegada de Ícaro! Ele é um emnino de sorte pr ter você e Beto como pais.
Beijos :)