quarta-feira, 9 de maio de 2012

Gravidez aos 36 – O Falso Trabalho de Parto


Segunda, passei a noite toda praticamente acordada. Não sabia se eram cólicas intestinais, contrações de Braxton Hicks (falsas contrações) ou as verdadeiras. Beto estava trabalhando em seu gabinete, do outro lado do nosso apartamento e eu não conseguia nem levantar para falar com ele (só ligando, porque eu também não ia gritar). E também não sabia o que ia dizer... Estava, de fato, MUITO confusa. Ou com medo! Não me sentia nem um pouco preparada para entrar em trabalho de parto esta noite. Ainda mais depois que recebi mais roupinhas de cama, um moisés lindo, um gaveteiro muito bacana e estava planejando pegar o enxoval no dia seguinte! Pois é... Foi exatamente o que escrevi no post É preciso estudar!: “nunca estaremos 100% preparados para a chegada do nosso bebê”.

Em um dos livros dos Sears, não lembro se foi The Pregnancy Book ou The Baby Book, ele comenta sobre uma de suas pacientes famosas que passou por muitas dificuldades durante a amamentação, mas que, durante uma entrevista, relatou que foi tudo muito fácil. Dr. Sears gostaria que ela tivesse compartilhado a verdade, para que outras mães soubessem que todo mundo passa por dificuldades, insegurança e medo. Às vezes me pergunto se o parto de Gisele Bündchen (parto natural, dentro da banheira de casa e sem anestesia) foi tão perfeito assim como ela descreveu (consciente, presente, tranquilo, nem um pouco dolorido).

Então, apesar de não ser nenhuma celebridade, sei que tem muitas mães lendo o meu blog e não me envergonho de dizer: fiquei com medo, sim. E confusa!

Lembro que com Thiago, meu primeiro filho, senti contrações de manhã (quem sabe não senti durante à noite, mas estava dormindo profundamente?), fiquei um pouco na dúvida, só sabia que sentia algo diferente e decidi ligar para o meu médico que me mandou ir direto para o hospital. Ele nasceu 4 horas depois e eu estava na 39ª semana. Para quem não sabe, os bebês a termo nascem entre a 37ª e a 41ª semana e 6 dias. Com Ícaro estava tranquila, porque não senti nada durante toda a minha gravidez, nem inchaço, nem dores lombares, só dorzinhas no assoalho pélvico e no cóccix que eu sabia que era o corpo se preparando desde muito cedo para o grande dia. Por isso, tinha certeza, que quando sentisse algo diferente, ou mais forte, seriam as verdadeiras contrações do trabalho de parto.

E eu senti algo diferente, forte, que eu não conseguia distinguir quando começava nem quando terminava. Baixei até um free app no meu iPhone que é muito legal. Chama-se Contraction Monitor. Você marca quando cada contração começa e termina e descreve a intensidade da dor. E ele gera histórico, resumo, gráfico, tira foto da tela, envia por e-mail, acessa seus contatos para aquelas ligações importantes, etc. O problema é que eu não conseguia marcar o início nem o fim do que eu sentia. Aliás, nem sabia se eram mesmo as contrações! Cheguei a pesquisar em alguns livros a diferença entre o falso trabalho de parto e o verdadeiro. Isso às 3 da manhã!! Mas, por via das dúvidas, carreguei as pilhas da máquina, coloquei o que faltava na minha mala da maternidade e fui tomar banho. Ainda lembrei de um item importante que deve fazer parte da listinha da mala da maternidade que eu não adicionei: a roupa da ida para a maternidade!! Só falam da roupa da saída da maternidade do bebê, o que não faz nenhum sentido para mim, já que eles saem todos enrolados em mantas... Mas e a nossa roupa para ir para a maternidade?  Não dá para perder tempo escolhendo e também não dá para pegar qualquer uma. Enfim, voltando para o meu drama...

Depois do meu banho, Beto continuava trabalhando e eu me revirando na cama. Não fazia sentido chamá-lo. Estava com medo dele surtar: “como você não sabe o que está sentindo?”, “já não passou por isso?” “pra que serviu tantos livros?”, “não está muito cedo?”, “ a data prevista não é 28?”, etc, etc. Mas era tudo paranóia da minha cabeça. Quando Beto terminou de trabalhar, lá pelas 3 da manhã (é na madrugada que ele produz mais), conversei com ele que se mostrou preocupado, atento e disse para eu ligar para nosso médico de manhã. E foi o que eu fiz.

E assim que eu descrevi minha noite, ele pediu para me ver. Fui ao consultório e ele confirmou que eram as contrações do falso trabalho de parto ou de Braxton Hicks (médico obstetra do século XIX que descobriu essas contrações), pois o colo do útero estava intacto (ele fez o primeiro exame de toque). Confesso que foi um misto de frustração e alívio =) Mas disse que acredita que Ícaro deva nascer no Dia das Mães! Neste domingo! Pois ele já está encaixadíssimo com 3.453kg e 50.03cm!! Seria o iniciozinho da minha 38ª semana. Disse que ele sempre faz parto no Dia das Mães e que o desse ano deve ser o meu. Será??

obs.: "O trabalho de parto verdadeiro provavelmente não terá começado se: as contrações não forem regulares e não aumentarem em frequencia e em intensidade, as contrações cederem se a gestante caminhar ou mudar de posição, os movimentos fetais se intensificam brevemente com as contrações. (Avise o médico imediatamente se essa atividade se tornar frenética.)" (MURKOFF, 2010).

Nenhum comentário: