quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Mãe de 2ª Viagem – Aaah!!!mamentação


Sabe aquelas imagens de mamães amamentando bebezinhos lindos em um quarto impecavelmente decorado, ela sorrindo, ele calminho mamando e trocando olhares com sua mãe? O nome disso é propaganda enganosa!! Acontecerão momentos como esse, em que você vai amamentar sorrindo, mas é preciso saber a verdade: amamentar é difícil, assustador, doloroso, trabalhoso, cansativo, calorento, solitário, desafiador, desanimador...

Amamento há 6 meses, 2 semanas e 4 dias e não penso em quando quero parar. Li muito sobre o tema e amamento consciente de todos os seus benefícios, desde o desenvolvimento da arcada dentária até o aumento do vínculo entre mãe e filho. E acredito que a amamentação é “uma prática humana de preservação de sua espécie em todas as esferas: física, cognitiva e emocional” e que “ela significa a formação de um ser humano em sua plenitude” (Simone de Carvalho - http://www.amsbrasil.com). Mas amamentar é uma das coisas mais difíceis da maternidade!  E torna-se mais difícil ainda, sem o apoio da família. Fico feliz por este não ser o meu caso.

Como sou mãe de 2ª viagem, a minha 1ª experiência com amamentação não foi muito positiva, então me preparei muito para conseguir amamentar Ícaro, que não sabe o que é uma mamadeira.  Fiz curso sobre aleitamento materno e li bastante. Antes mesmo de engravidar queria fazer esse curso e incentivava todas as grávidas que conhecia! Para mim, amamentar tem sido um desafio!

Além do curso, precisei chamar a consultora de lactação aqui em casa. Meu pai foi o primeiro a sugerir (olha a importância do apoio da família). Ícaro era recém-nascido, eu já tinha passado pela apojadura (descida do leite) sem nem perceber (bem diferente da 1ª vez, que eu dormi e acordei com os peitos da Pamela Anderson!), mas apareceu um nódulo que eu não consegui desfazer! Fiquei muito mal. E essa, para mim, é a parte dolorosa e assustadora da amamentação. 

Assustadora porque eu sabia o que aquele nódulo (causado por um bloqueio de ductos lactíferos) podia gerar se não fosse logo tratado. E eu tenho trauma de mastite, que me levou para a emergência e me fez, por ignorância, deixar de amamentar meu primeiro filho. Mas essa é outra história... E dolorosa, porque a enfermeira ficou horas, das sete à quase meia-noite, tentando desfazer o nódulo, extraindo meu leite e massageando minha mama, que ficou muito sensível e, depois de tudo isso, eu ainda precisava continuar amamentando. Então só me restava respirar fundo.

Amamentar também dói por causa dos mamilos rachados. Por mais que você os prepare (tomando sol, não passando sabonete, usando o sutiã aberto e pedindo para a consultora de lactação analisa-los) e observe a pega correta, eles podem ferir! No meu caso não chegou a sangrar, mas sei de mães que dão de mamar leite com sangue! Depois de três semanas amamentando, a dor nos mamilos passou, mas se Ícaro mama errado, volta a ferir. Então é preciso estar sempre atenta à pega. E quando nascem os dentes? Ele, banguela, já dá umas mordidinhas...

Amamentar é trabalhoso e cansativo. Chego até a suar! E, por isso, é também calorento. Tenho que comer bem e de forma saudável (e algumas mães precisam fazer restrição alimentar para não causar cólicas no bebê), beber muita água, usar roupas apropriadas, arranjar um lugar adequado, preparar seu cantinho da amamentação (água, frutinhas, controle remoto, livro, telefone, notebook...), tomar fitoterápicos e chá da mamãe para aumentar a produção de leite, Vitamina C para aguentar a maratona, homeopatia para o emocional, suplemento vitamínico para o sistema imunológico não ficar baixo... 

Você não pode adoecer, tem que tirar leite se você tem muito ou se voltou a trabalhar e quer manter o AME (Aleitamento Materno Exclusivo). E se virar para conseguir um lugar pra fazer isso que não seja o banheiro da sua empresa! Você tem que estar sempre disponível para seu bebê, afinal, você é seu restaurante 24 horas. E então não tem tempo pra mais nada! Nem pra tomar banho ou comer com as duas mãos. Ás vezes até o xixi tem que esperar. Já cheguei a imaginar como seria se pudesse deixar meus peitos com Ícaro e ir ali rapidinho...

Amamentar é solitário, porque os peitos são seus!! Nos do seu marido não sai leite! Por mais que você esteja com seu bebezinho, você está sozinha! É um trabalho que só você pode fazer. Principalmente no início e madrugada adentro. Se te convidam para alguma festa, você pode até ir, mas vai estar cansada e, se o bebê acordar, você precisa largar tudo para dar de mamar. Você come quando dá, então, muitas, vezes, senta-se sozinha (ou com seu bebê pendurado no peito). Ah! E esqueça os drinks ou a cervejinha. 

E é desafiador, porque as pessoas fazem todo o tipo de comentário: desde “você tem pouco leite”, “seu leite está fraco”, “ele está tão magrinho” ou “onde já se viu não dar nem um chazinho?” até “quando é que você vai parar de amamentar?”, “esse menino está grande demais para isso!”, “ele vai ficar apegado”... E é preciso muita autoconfiança para desafiar essas críticas e preconceitos e sentir-se poderosa por ainda ter leite.

Também é desafiador, porque você não pode se dar ao luxo de ficar doente, precisa se cuidar e administrar tudo o que entra em seu sistema, desde comida até medicamentos, tinta pra cabelo... Algumas mães sentem vergonha de amamentar em público e é um desafio ser discreta. Mais desafiador ainda se você não consegue a licença de seis meses e precisa voltar ao trabalho quando a alimentação do seu bebê, segundo o Ministério da Saúde, deve ser, exclusivamente, de leite materno! Os chefes não entendem, não têm paciência; as pessoas não apoiam; mães perdem o emprego e muitas sofrem, porque quatro meses é muito pouco tempo para deixar um bebê longe da mãe.

Amamentar é desanimador. Você não vai ter tempo pra se arrumar, vão dizer que seu peito vai cair (e, às vezes, cai mesmo, mas não por conta da amamentação e, sim, pela própria gravidez - e gravidade rs - e aumento das mamas). Isso pode gerar baixa autoestima. Você não terá tanta vontade para namorar, ou estará cansada demais pra isso. E vai achar que a única pessoa que quer seu peito é seu filho...

Mas... (tem que ter um “mas”, não é? Se não eu não estaria amamentando até hoje rs) amamentar é o melhor que você pode fazer pelo seu filho. Seu leite é feito especialmente para ele (aliás, seu bebê participa ativamente deste processo, porque o leite é fabricado de acordo com suas mamadas), tem a quantidade e o tipo de gordura específica que seu filho (e nenhum outro bebê) precisa naquele momento, atende a todas as necessidades de nutrientes e sais minerais até os 6 meses e seus nutrientes não são encontrados em nenhum outro leite, ajuda o desenvolvimento cerebral, é fácil de ser digerido, por isso provoca menos cólicas, serve para nutrir e proteger, colabora para a formação do sistema imunológico, previne alergias, obesidade, intolerância ao glúten. Além disso, o contato e o vínculo entre mãe e filho têm um efeito positivo no desenvolvimento psicológico da criança. É de graça, natural, prático, e não desperdiça recursos naturais. Só por não precisar lavar, esterilizar, filtrar e ferver água e pagar fortunas pra comprar fórmulas, já vale a pena =)  

Falo sobre a minha experiência e de outras mães que conheci no Facebook. Pode ser que você não tenha passado por nada disso ou nem venha a passar, mas estar consciente ajuda a não ser pega de surpresa e a se preparar. Saiba que você estará sozinha na maior parte do tempo, por isso, participar de um grupo de apoio, como eu participo do AMS (Aleitamento Materno Solidário) é muito importante. Foram madrugadas dando de mamar e digitando no Smartphone pedindo ajuda. E consegui superar muita coisa, ao ponto de passar a ajudar depois.

E se cheguei até aqui, depois de quase sete meses produzindo o melhor alimento para meu filho, é porque acredito que vale a pena. E é agora que começa a ficar divertido, que vejo Ícaro engatinhar por cima de mim atrás do leitinho dele, puxar minha blusa, puxar o peito pra ele com suas duas mãozinhas, me olhar como que agradecido, acariciar meu rosto... E este é o único momento que eu tenho para relaxar (ah, sim, depois de um tempo, a propaganda torna-se verdadeira e você consegue amamentar sorrindo). 

Graças á ocitocina (o tal do hormônio do amor que é liberado no parto e também durante a amamentação) você relaxa muito! Por isso é bom dar de mamar em um local confortável, porque é muito provável que você pegue no sono! E é nessa hora que dá pra dormir agarradinho na rede (a-do-ro!), ou ver minhas séries favoritas, ler um livro ou apenas ficar olhando para aquele ciliozinho do olhinho esquerdo que teima em ser mais comprido que os outros.

Amamentar é tão lindo, tão gratificante e tão mágico, por tudo o que proporciona à mãe e ao bebê e por toda a sua proteção, que eu não sei quando quero parar! Sei que não quero pensar numa data de validade. Ainda bem que nosso leite não estraga! Quero, pelo menos, amamentar até que ele possa falar "mamá".

Ah! Por sinal, na foto sou eu sorrindo =)

 “O seio materno nutre fisicamente, afetivamente e estabelece o fortalecimento do vínculo, sacia a vontade emocional e afetiva do bebê de se sentir pertencido e amado por sua mãe” 
Simone de Carvalho - http://www.amsbrasil.com

Sobre os benefícios: Revista Crescer 

Inspiração: compartilhar para ajudar e leitura do post Amamentar não é fácil do Blog Para Beatriz =) 

6 comentários:

mcbrum disse...

Fiquei super emocionada com o seu depoimento Karina! Com certeza ajudará outras mães que querem amamentar e enfrentam corajosamente as dificuldades!

Isabela Kanupp disse...

Adorei! Não é fácil mesmo, mas te falar, sinto saudades de amamentar exclusivamente! Era muito cansativo, fisicamente e emocionalmente. Mas aquele cheirinho de "leite podre" que o bb ficava jamais terei novamente :p

E fiquei feliz ao ler seu texto, você deixou bem explicado sobre todos os sentimentos que rola na amamentação. E adorei a questão da publicidade do primeiro parágrafo, esses dias no fb falei exatamente sobre isso. A propaganda de aleitamento materno, é elitista. Não explica muito bem, e passa uma falsa imagem!!!


Beijos

www.parabeatriz.com

Cris O disse...

Ai que lindo o texto, amiga. Como sempre você escreve muito bem. Me emocionou:-).

Merlim Thy Vamp disse...

Como experiente do outro lado, ou seja sou pai, vivenciei e acompanhei este processo 2 vezes...

Bebês parecem pequenos parasitas ( porém belos, admito)que acordam a mãe a hora que bem entendem com hitleriana sedução " me alimente... a natureza te deu o dom de me alimentar... trabalhe duro para saciar munha sede pois nenhuma outra criatura neste mundo o faria"

Oh belos vampiros... como os admiro...

Fernanda Rebouças disse...

Lindo depoimento e muito bem explicado!!! Saudades da epoca que dava de mamar exclusivamente pra meu filho Davi. Agora só quando os próximos vierem...rsrs

Anônimo disse...

Muito lindo, emocionante, vibrante, sincero, divertido e bem feito e benfeitor! Adoro ser sua mãe e lhe agradeço por você ser minha filha e me ensinar a ser mãe, a cada dia. Obrigada por me proporcionar ser uma avó completamente apaixonada e conectada com os meus netos, amo você!